quarta-feira, 13 de junho de 2012

Não aposte só na porta...

  Quando se coloca todas as suas esperanças em uma determinada porta, há uma grande chance de frustração. E porque acreditamos que as respostas chegarão de lá, nossa salvação entrará pela tal porta, a gente perde a chance de aproveitar o que se apresenta em outras portas ou até janelas. Permanecemos sentados em frente a porta, com todas as nossas esperanças nas mãos. Primeiro com uma expectativa demasiada, incontida, depois mais impaciente, menos confiante, até que simplesmente não acontece, não vem, nada nem ninguém entra pela sua porta. Teimosos permanecemos lá, desiludidos, angustiados e até ressentidos. Enquanto isso, nas janelas e nas outras portas o movimento é contínuo, só a porta escolhida é que permaneceu imóvel. E por que não olhei para as outras possibilidades? Porque não ampliei meu olhar, tão restrito?

  Repetidamente a gente segue apostando, colocando expectativas e confiando em determinadas coisas e pessoas e se frustrando, decepcionando. Porque coisa e pessoa nenhuma está a nossa disposição, não no tempo que queremos, não da maneira que julgamos satisfatória. É preciso aprender o tempo das coisas, a disponibilidade (de tempo, afeto) de cada um e, principalmente, compreender o quanto a nossa percepção da vida, muitas vezes, é tão limitada.

  Mas, ainda assim, mesmo com olhos e esperanças voltados para um só lugar, eventualmente, somos deliciosamente surpreendidos por quem e com o que jamais contávamos. Às vezes, as alternativas aos nossos desejos são tão fortes, que adentram a janela e vêm nos buscar diante da porta. Nos tiram de lá e nos fazem esquecer, ainda que momentaneamente, da nossa esperança cega, da nossa teimosia sem razão. E se nos deixarmos levar por um outro tom, uma outra cor, uma outra voz, sem tantas expectativas é possível que a gente aprenda um jeito novo, com mais leveza, mais amplidão e descompromisso, de dirigir nosso olhar para outras portas, para todas as janelas. Deixemos as surpresas acontecerem, não nos percamos na nossa necessidade de controlar qualquer situação. Sejamos livres, tenhámos portas e janelas sempre abertas, sem jamais depositarmos todas as nossas expectativas em apenas uma.


3 comentários:

Pauliane Godoy disse...

Ameiiiiiiiiiiiiiiiiii

Pauliane Godoy disse...

Ameeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeei

Amanda M. disse...

;) Uhuu que bom! Thanks