quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Só deveria ser mais simples

   Nós complicamos demais. Nós estragamos muito com as nossas gentilezas forçadas. Um "não" ou um "sim" na hora certa, nos pouparia da maioria dos dramas que vivemos todos os dias. Melhor seria se obedecêssemos nossos primeiros instintos, sem tanta racionalidade.  Mas protelamos, ficamos "sem jeito", dizemos "sim", quando a vontade é de um "não" e "não", quando a vontade era um "sim".

  E, complicamos demais quando falamos o "sim", porque queremos continuar sendo amados, bem vistos, procurados. Não queremos magoar ou decepcionar, para, mais a frente, fazermos algo sem vontade ou, ainda, desapontarmos por não conseguirmos cumprir uma promessa. Então o mal-estar cresce, perdura e termina muito tarde, quando poderia ter sido evitado, ainda no casulo.

  Nós complicamos demais e dificultamos um "sim", pensamos, repensamos, analisamos todas as implicações negativas de uma escolha e decidimos dispensá-la e por isso o sonoro "não", quando o coração, na verdade, suplicava por um "sim". Falamos o "não", porque não haverá o esforço da tentativa, a expectativa da vitória e a possibilidade da derrota. Então...não!

  Nós complicamos demais, porque deixamos relações em suspense, pessoas a espera, deixamos que depositem sua fé em nós para, depois, não sermos capazes do milagre. Por educação ou generosidade, complicamos demais. Prolongamos o nosso próprio sofrimento e deixamos que os outros fantasiem um "sim", que nasceu para ser um "não". E mentem...como mente essa gente! Mentimos para nós mesmos, mentimos para os outros, mentimos com a boca que deveria falar a partir do coração. Mas, daí, a boca consulta a cabeça e suas culpas; a mente e seu verniz social . E na tola tentativa de agradarmos instantaneamente, não prevemos as dores futuras. Estendemos situações que poderiam ser, há muito, abreviadas .

   Nós complicamos, porque acumulamos sentimentos demais, abafamos frases demais, guardamos mágoas demais. E o guardado, quase sempre, um dia é descoberto. E quando essa tragédia acontece, morrem soterradas amizades, amores e trabalhos que não resistem a avalanche de uma verdade muito antiga.

  A vida pode ser mais simples, na verdade, ela é, mas nós complicamos demais. Bastava um "sim", quando a vontade era de "sim" e um delicado "não", quando a alma assim o quisesse. Mas, nós complicamos demais...



4 comentários:

Anônimo disse...

Parece fácil... mas a vida e as relações sociais e humanas são um pouco mais complicadas!

Amanda M. disse...

Por isso o título "Só DEVERIA ser mais simples", é um desejo e não constatação racional ou simplista da vida e suas relações... ;)

Ana disse...

Texto maravilhoso Amanda, como li uma vez já não sei onde temos que ver se quando dizemos sim a alguém não estamos a dizer não a nós próprios... a pôr em prática!

Amanda M. disse...

Que bom que gostou, Ana! Independente de onde tenha lido a frase, concordo! ;)