terça-feira, 14 de maio de 2013

E o meu desejo?

  Tragam as estrelas para mim. Se não forem estrelas, liguem os pisca-piscas vagabundos de lojas populares ou as velas aromáticas, as sobras de decorações festivas antigas, uma luz de isqueiro, fósforo ou fogueira de quintal, qualquer coisa que ilumine, aqueça e faça brilhar. Hoje, quando dormir, a lua vai vigiar meu sono, e o sono de todos os enamorados do mundo, enamorados por tudo, qualquer coisa, alguém ou pela ideia mesmo de enamorar-se, quem sabe, pela própria vida. Junto à lua, as estrelas, esses objetos de tanta poesia, a mim, não serão distantes como naquele poema de Quintana, mas estarão próximas, tão próximas, que parecerão dentro.

  Não quero vinho, espumante ou qualquer bebida comemorativa, amanhã eu quero beber meus anos, cada um deles, sem exceção, não me recusarei a nenhum, por mais indigesto que um dia tenha sido, porque hoje tocarão minha garganta com a leveza que só o tempo é capaz de doar; dispenso as flores e o seu perfume, desejo que elas continuem colorindo os jardins afora, porque hoje eu quero brilho e brilho é mais que cor. Não desejo comidas especiais, nem bolo confeitado, porque o que eu tenho agora me parece tão adoravelmente suficiente, doce e saboroso, por isso quero só me encher disto, dessa plenitude do "por agora".

  Quero somente a sensação daqueles cinco minutos de relaxamento no yoga e, depois, os vinte minutos caminhando de volta para casa, no começo da noite, estado de não ser, não ter, não existir. Não desejo uma vida repleta desse contentamento, nem este ano, mês ou dia inteiro, porque não é possível, porque a vida de fora pede urgência, comprometimento e decisões frequentes, mas quero um pouco disto por pelo menos mais alguns minutos; talvez tenha terminado ao final deste texto, mas quero-o profundo, completo.

  Amanhã, não farei festa para uma conquista, graça alcançada, milagre testemunhado ou visita inesperada, porque  eu só quero mesmo festejar o que nunca antes foi comemorado, a alegria boba, inútil e preciosa de estar. Não sou, não tenho, não faço, passo; e como quem passa, só deseja mesmo que o passar seja pleno, frutífero e até, quem sabe, bonito. Sem expectativas, sem esforço demasiado, só brilho. Caetano cantando para mim, porque é meu aniversário e eu mereço, no meu quarto (que também não é meu, nem eu sou dele) "gente é pra brilhar", me parece ser  mais que uma música, mas, sobretudo, missão que deve ser cumprida. Por isso eu desejo as estrelas; tê-las como reflexo. Peço um pouco de luz para inspirar.

  Para amanhã, nada. Depois também não. Sem planos, sem expectativas. De certeza mesmo, só as estrelas e antes que seja tarde, tragam as estrelas para mim. Porque ainda ontem eu perdia meus últimos dentes de leite, olhava deslumbrada para a imensidão negra do céu e fazia um pedido, que eu já nem me lembro mais, desconfio que não tenha sido realizado. Hoje eu vou dormir para acordar com trinta e dois e nem sei bem como aconteceu, fechei a janela ainda pouco e quando eu abrí-la, talvez eu tenha sessenta e cinco, por isso não faço pedido para estrela, peço-a inteira, materializada e completa; tragam as estrelas para mim para que eu realize um só pedido: não deixe que o meu sonho morra antes de mim, não deixe-o transformar-se em balão de gás e  escapar-me pelas mãos. Tragam, quem souber como, as estrelas. Eu preciso das estrelas. Eu, hoje, preciso das promessas que moram numa estrela.





4 comentários:

J. BRUNO disse...

Amanda, adorei o texto (o que não é novidade, né?)... Não sei o porquê, mas nunca consigo encarar a proximidade de meus aniversários desta forma. Alguns dias antes já começo remoer lembranças, os desejos não realizados dos outras anos, os planos frustrados e sempre este descontentamento, apesar de passageiro, me impede de encontrar motivos para festividades... O segredo talvez esteja no contentamento com o que temos agora, que de fato deveria ser o suficiente...

Amanda M. disse...

Que bom que gostou, fico honradíssima, J. Bruno! Acho que esse contentamento é exercício, nem sempre dá certo quando precisamos, mas às vezes acontece...rs. Beijo

Ana disse...

Muitos parabéns e desejo que todos os teus desejos se realizem:)

Amanda M. disse...

Obrigada Ana! Também faço votos de que todos os sonhos de qualquer pessoa se tornem realizáveis... ;)