segunda-feira, 7 de maio de 2012

Só mesmo as pessoas é que modificam...

   E, são capazes de transformarem um episódio rotineiro em uma experiência mais bonita, mais verdadeira. Ou o seu contrário.

  Estavam novamente quatro pessoas, em frente a uma maravilha, a um espetáculo natural, antes tão brilhante, tão misteriosamente belo, só que em um outro tempo. Procurava as luzes, procurava o mistério todo que as cercavam, mas a beleza toda não fluía, a energia circulava de outro modo, havia certa resistência, certa incredulidade, alguma desconfiança. Fixo mais uma vez o olhar no horizonte, procuro com insistência, algo que em uma outra vez achara instantaneamente. Agora era demasiadamente demorado, resistente, ordinário. A beleza não havia de "aparecer" por ali. E por que apareceria? Nada ali era sedutor: o clima, a fé, as pessoas...

  A verdade é, que eram outras quatro pessoas, embora, só uma, não tivesse participado da experiência anterior. Mas, as outras três, haveriam de ser modificadas, diante do novo quadro que se apresentava. Em uma delas certa desconfiança, uma dificuldade de se estabelecer intimidade, aconchego; em outra uma tentativa de "continuação" desperdiçada, impossível e constrangedora; na terceira, via-se o reflexo dos sentimentos das anteriores. Podia mesmo se suspeitar que era era "obra" do tempo, que afasta, que modifica, que pesa e descompensa algumas relações, que desfaz os laços tão doce e lentamente confeccionados. Mas não era culpa dele não.

  A beleza toda de outrora era fruto da crença, era resultado de uma fé cega, de uma falta de necessidade de confirmação qualquer. Eu acredito, só porque você me faz acreditar. Acredito, porque você me diz ver. E isto é tudo. Na verdade, era tudo - porque ficou cristalizado, intocado naquele outro tempo . Aquela beleza toda era reflexo de uma intimidade criada, de almas desarmadas, sem desconfianças e receios. Sem medo de falar demais, sem medo de magoar, sem os "vernizes sociais"...acho que era isso a tal beleza.

  E agora o que você vê naquelas montanhas? - Não vejo nada que não tenha visto em qualquer outro lugar. Nada diferente do que vejo no trabalho, no dentista, nas idas ao banco, no cursinho. Luzes artificiais, projetadas e ordinárias...

  Não era o lugar, não era o tempo, eram as pessoas que faziam toda a diferença. O fantástico para ser visto precisa de almas que iluminem. A beleza não está lá fora, a beleza não precisa de tempo ou lugar específicos, a beleza requer é de gente; só a gente pode fazer brilhar de novo a tal "beleza"...


2 comentários:

Anônimo disse...

Gostei do texto, mas achei que vc estava em outra sintonia, na verdade acho que todas nos estávamos em sintonias diferentes,mas ainda estou em duvida qual das três sou rsrsrsr espero que este fim de semana tenha sido especial para vc quanto foi pra mim. Crescemos e mudamos (ou ficamos mais serias) mas vc nunca deixou meu coração ..te amo bjss

Amanda M. disse...

Sim, sintonias diferentes, mas um mesmo sentimento, que nunca mudará (pelo menos para mim!rs). Este fim de semana foi fabuloso sim!Quem você é? Quem você quiser...rs. Aqui você é que escolhe!O cliente manda...rs Beijoooooo